quinta-feira, 25 de julho de 2013

Curitiba , racismo:PROFESSORA DA UFPR CONDENADA POR RACISMO.



Por  *Mario de Andrade

A professora Ligia Regina Klein, do setor de educação da Universidade Federal do Paraná, teria feito o seguinte comentário dentro de uma sala de aula, dirigindo-se a duas estudantes negras: "Vocês, só fazendo lanchinho. Duas macaquinhas comendo banana. Eu também gosto de banana em doces, bolos".
O fato, ocorrido na data de dia 11 de abril de 2012 envolveu as alunas Eliane Regina Graciano e Kely Cristina Cunha, ambas do segundo ano do curso de pedagogia. Logo em seguida, a professora teria se aproximado novamente das alunas, que haviam esquecido de levar um texto que seria analisado em sala, e dito a uma delas: "Esqueceu de trazer o texto, mas a bananinha não esqueceu, né". As alunas protocolaram a denuncia no Ministério Público de Curitiba.

SENTENÇA: CONDENO LIGIA REGINA KLEIN por injuria infração ao art. 140, § 3º,
combinado com o art. 141, inc. III e art. 70, todos do Código Penal." Dispositivo: "Face o exposto, JULGO PROCEDENTE a denúncia e CONDENO LIGIA REGINA KLEIN por infração ao art. 140, § 3º, combinado com o art. 141, inc. III e art. 70, todos do Código Penal." Penas Privativa de liberdade: 1 ano e 6 meses e 20 dias em regime inicial Aberto. Substituída pelas seguintes penas restritivas de direitos: Diário Eletrônico do Tribunal de Justiça do Paraná - Prestação de serviços: `a comunidade, 100 horas, segunda a sexta, paós trabalho, uma por dia, até cumprimento da pena - Multa: 10 dias-multa Pecuniária (multa): - Dias-multa: 26 - Proporção do Salário Mínimo: 1/2 Magistrado: Mauro Bley Pereira Junior .-


Mario de Andrade, dirigente da UNEGRO -Pr



4 comentários:

  1. A professora Ligia Regina Klein, do setor de educação da Universidade Federal do Paraná, teria feito o seguinte comentário dentro de uma sala de aula, dirigindo-se a duas estudantes negras: "Vocês, só fazendo lanchinho. Duas macaquinhas comendo banana. Eu também gosto de banana em doces, bolos".

    ResponderExcluir
  2. É, condenada por racismo. Acho gozado, os verdadeiros professores racistas da UFPR nada sofreram, enquanto a professor, que nunca foi racista, é punida por um comentário infeliz. Destruida a carreira de uma profissional que sempre esteve do lado das minorias. Bela Justiça!!!!
    Que as alunas não leram os textos indicados, estavam matando aula e agindo com descaso, tudo bem, são alunos e podem tudo. Deprimente!

    ResponderExcluir
  3. Fui e sou a primeira a afirmar que o racismo corre solto no Brasil e a primeira a dizer que a Universidade ainda tá impregnada de branquice. Sou a primeira a levantar a voz contra qualquer constrangimento que façam às manas negras, mas eu acredito piamente que a professora (de quem sou ex aluna) teria dito a MESMA coisa se fossem alunas brancas. Ela tem o hábito de fazer piadinhas, ela sempre tenta quebrar o gelinho. É um hábito dela e duvide-o-dó que tenha sido uma "vazão" de racismo contido. Até porque ela foi mesmo uma das primeiras a se posicionar sobre a questão das cotas (Lá atrás, gataiada, em 2004, quando a universidade inteira rechaçava a entrada "permissiva" de negros); E aposto que, como ela agiu despretensiosamente ao falar de macacos e bananas, de certo nem tenha se dado conta de como o contexto era realmente infeliz. Mas agir como uma racista? NÃO. É difícil viver em tempos nos quais pisamos em ovos, e certamente devemos ter mais e mais cuidado, pelo respeito às manas negras. Mas malhamos o Judas errado, colegas. A professora Ligia sempre fez brincadeiras assim. Nunca teve sentido perverso e eu aposto que ela não conectou os termos usados à especificidade dos tons de pele das colegas. É muito lamentável saber de tudo isso. Pena mesmo. E as colegas não lerem o texto, as colegas comerem dentro da sala, as colegas desrespeitarem.. Nada disso vem ao caso ou diminui a falta da professora, mas explica até a razão da brincadeira. Difícil!

    mariah.gatti@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. ligia regina klein11 de março de 2016 18:46

    Caro Senhor Carlos Maia,
    Na tradição do melhor jornalismo - aquele que mostra não só as duas faces da mesma moeda, mas todas as nuances das centenas de camadas que a constituem - encareço que vossa senhoria noticie minha inocência, reconhecida pelo STJ. Vale esclarecer que o hoje criticado como "tribunal de brancos" foi provocado pelas alunas, pretensamente injuriadas. Elas esgotaram todos os recursos legítimos e legitimados do tribunal que escolheram (ao arrepio do diálogo e em favor da execração pública). Daí a relevância, para mim, do veredito da minha inocência, coerentemente com minha história de luta pelas minorias. Agradeço antecipadamente sua manifestação. Att. Professora Lígia Regina Klein

    ResponderExcluir